OM MANI PADME HUM

“As pessoas ficam doentes física e mentalmente. Para alguns, a vida é apenas um retardo para a morte; para outros, a morte é mais bem-vinda que a vida. Alguns levam uma vida miserável, incapazes de encarar a morte; outros se suicidam, por serem incapazes de encarar a vida. Estas experiências fazem você crescer por dentro. Se Deus não fez este mundo apenas para o sofrimento, e, se houver algo mais (e eu intuitivamente pressinto isso), eu o descobrirei."

Swami Sivananda

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Mensagem Para Ficar

O Fraco nunca perdoa. Perdão é o atributo do Forte.
Mahatma Gandhi


p.s.: foto retirada de uma placa colocada em um ponto de ônibus na Índia...





terça-feira, 4 de outubro de 2011

Sarasvatī


Om Aim Sarasvatyai namaḥ
Saudações para Sarasvatī,Deusa do Conhecimento e do Som!!!
Yā Devī sarvabhūteṣu buddhirūpeṇa samsthitā
Namastasyai Namastasyai Namastasyai namo namaḥ
Aqueia Deusa que está em todos os seres através da forma de inteligência
Saudações, Saudações Saudações para Ela!!!!

Por Annabella Magalhães

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Ressalva!

Onde se lia  poder manifestador da Criação,  Preservação e Destruição respectivamente o correto é: poder manifestador da Destruição, Preservação e Criação respectivamente

Celebrando o NAVARĀTRI


(Lakşmī)
Om Mahalakshmyai cha vidmahe

Vishnu patnyai cha dhimahi
Tanno Lakshmihi prachodayat


Nav significa 'nove' e ratri 'noite'. Navaratri significa nove noites, que são dedicadas às Śāktis nas formas das Deusas Durgā, Lakşmī  e Sarasvatī, ou seja, poder manifestador da Destruição, Preservação e Criação respectivamente, uma vez que a Śakti não pode ser adorada em sua natureza essencial. 
No dia 28/09/2011, teve início a celebração que finda em 06/10/2011.
As nove noites dedicadas às devīs representam a escuridão que precisa ser destruída/transformada em dia luminoso. O primeiro passo é destruir os desejos e apegos, por isso Durgā é invocada nas três primeiras noites. Em seguida, após essa "limpeza", começamos a produzir nossa riqueza espiritual simbolizada por Lakşmī nas três noites seguintes (período em que nos encontramos). E só após essas conquistas, podemos chegar à sabedoria representada por Sarasvatī, que é venerada nas três últimas noites.


Hari Om!

segunda-feira, 18 de julho de 2011

terça-feira, 21 de junho de 2011

ONDE ESTÁ A SAÚDE?!

         Nos dias atuais, a saúde está em alta. Nos últimos anos, a mídia televisiva, impressa e por todos os lugares nos deparamos com orientações acerca da alimentação correta, cuidados com a pele, o corpo, a rotina de vida, etc. Para quem está realmente na busca pela saúde não faltam opções, profissionais, dicas e cursos. Obviamente, é deveras positivo assistir à humanidade transformando seus valores e tornando-se mais conhecedora e consciente quanto à forma de se cuidar. Porém, ao ouvir certos ensinamentos védicos oriundos de textos milenares, ocorreu-me que a busca desmedida pela saúde também pode revelar um outro extremo de desequilíbrios de ordens diversas.
         Analisando a situação sob a ótica do yoga, as preocupações excessivas com o corpo e até a mente não deixam de retratar o apego pela matéria, pela ilusão de quem Eu sou. O corpo físico é perecível como tudo que faz parte desse Universo. O Universo é mutante e não obstante todos os seus integrantes também o são, incluindo-se os seres humanos. Ou seja, destruição e renovação fazem parte dessa dança cósmica do Universo. Buscar a perfeição, mesmo em nome da saúde, é encontrar frustração ou viver na hipocrisia, reconhecendo que não a alcançamos e fingindo para nós mesmos.
         Se nos dedicarmos a buscas mais simples, talvez tenhamos mais êxito no resultado desse processo. Por exemplo, quando estamos numa aula de yoga devemos perceber que lá estamos para conhecermos alguém muito especial: nós mesmos! Ou seja, vejo muitas pessoas ocupadas com trabalho, família, em constantes consultas médicas, mas sem dedicar seu tempo ao que realmente traria resultados expressivos, cuidar de si mesmos buscando conhecer quem se É, desde a forma mais simples como quando numa prática de yogasanas nos é sugerido fecharmos os olhos e respirarmos para que possamos nos voltar para dentro de nós mesmos. Como diz a esfinge egípcia, temos que nos decifrar antes que o tempo nos devore. Para nos decifrar, temos que procurar e explorar o enigma do que é estar por aqui e agora. Os livros de Yoga nos falam que a solução desse enigma está dentro de nós e que, num estado de meditação, iluminados pela prática, podemos vivenciar essa solução. Mas, para isso, o praticante tem que dar 100% de si, 99% não é suficiente. Tudo tem que estar incluído. Ou seja, temos que estar conscientes de todas as partes do corpo físico, temos que estar conscientes da maneira como respiramos, temos que desenvolver foco. A prática do Yoga não é feita para o "biceps"' ou o "abdomen". Yoga é tudo ao mesmo tempo AGORA. É óbvio que a prática pretende estimular o aluno a desenvolver sua saúde física através da execução das posturas, incentivando uma alimentação apropriada, mas, principalmente, visa promover energia para sairmos da inércia e procurarmos o que queremos. Com a evolução, o Yoga visa estimular o aluno a acessar os ensinamentos contidos nos mais variados textos filosóficos, tão antigos mas também tão atuais, para obter sabedoria. Com sabedoria, podemos sintonizar nossa mente em algo mais iluminado do que, por exemplo, as manchetes dos jornais. E com saúde física, energética e mental podemos assim ter uma visão mais clara da nossa verdadeira natureza.  É aí que reside a nossa chance de obter a tão buscada SAÚDE.
         Os Vedas, o corpo de conhecimento mais antigo de nossa civilização, nos ensinam que a Criação nos fala, entre outras coisas, que a vida nos leve da ilusão para viver a Realidade.  E o que vem a ser a Realidade? Há quem saia à busca de um guru a fim de desvendar a Realidade. Há quem busque posições sócio-profissionais “seguras” com a finalidade de ter um trabalho e uma vida Real, mesmo que isso agrida sua natureza e aptidão natural. Minha experiência me diz que o que o caminho do Yoga preconiza: a única pessoa que pode te mostrar a Realidade é você mesmo! Viver o que é Real é uma aventura que não podemos terceirizar. Acredito que a nossa vida só começa quando achamos o que é o nosso Real propósito.

Namaste!
Glaucia Cantergiani

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Despertando a Consciência para Evitar as Armadilhas da Existência


 "  Lei do Caminhão de Lixo "
Um dia peguei um taxi para o aeroporto. 
Estavamos rodando na faixa certa, quando de repente um carro preto saiu de repente do estacionamento na nossa frente. 
O taxista pisou no freio bruscamente, deslizou e escapou de bater em outro carro, foi por um triz! 
O motorista do outro carro sacudiu a cabeça e começou a gritar para nós, nervosamente. 
Mas o taxista apenas sorriu e acenou para o cara, fazendo um sinal de positivo. E ele o fez de maneira bastante amigavel. 
Indignado lhe perguntei: Porque você fez isto? Este cara quase arruína o seu carro! 
O motorista do taxi me ensinou o que eu agora chamo de   "A Lei do Caminhão de Lixo." 


Ele explicou que muitas pessoas são como caminhões de lixo. 
Andam por ai  carregadas de lixo, cheias de frustrações, cheias de raiva, traumas e desapontamento. 
À medida que suas pilhas de lixo crescem, elas precisam de um lugar para descarregar, e às vezes descarregam sobre a gente. 


Nunca tome isso como pessoal. 


Isto não é problema seu! É dele!
Apenas sorria, acene, deseje-lhes sempre o bem, e vá em frente. 
Não pegue o lixo de tais pessoas e nem o espalhe sobre outras pessoas no trabalho, EM CASA, ou nas ruas. 


Fique tranquilo... respire E DEIXE O LIXEIRO PASSAR.


O princípio disso é:  Pessoas felizes não deixam os caminhões de lixo  estragarem o seu dia. 
A vida é muito curta, não leve lixo com você!
Limpe os sentimentos ruins, aborrecimentos do trabalho, picuinhas pessoais, ódio e frustações. 
Ame as pessoas que te tratam bem. E trate bem as que não o fazem.
 (autor desconhecido)
 A vida é dez por cento do que você faz dela, e noventa por cento de  como você a recebe.

quarta-feira, 23 de março de 2011



YOGA & EMAGRECIMENTO
  
Muito se fala, lê e ouve atualmente sobre os “poderes” e possibilidades de transformação que a prática do Yoga pode nos ajudar a alcançar. Todos nós possuímos vícios, padrões e comportamentos que desejamos transformar em nossas vidas; desde os mais simples, como a vontade de emagrecer e a dificuldade de mudar nossos hábitos para o devido êxito, a outros mais complexos. Usando esse exemplo teoricamente mais banal, podemos nos perguntar: O que pode tornar tão difícil a luta contra a balança quando é o que desejamos, já conhecemos os meios para alcançar esse objetivo e ainda assim, muitas vezes, fracassamos? Acredito que uma resposta substancial esteja na ausência do Conhecimento, uma vez que estamos presos ao samskāra.
Durante anos e anos fazemos uma mesma coisa, seguimos velhos hábitos. A mente foi treinada para fazer determinada coisa e essa orientação fica impressa. Samskāra é uma orientação criada pela mente que fica impressa. Somente com o avanço do Conhecimento nos livramos de samskāra. Analisando os Yoga sūtras 2.26 e 2.28, “O Conhecimento discriminativo, sem obstáculos, é o meio para a eliminação da ignorância e do erro” e “Quando a impureza é eliminada, através da prática dos componentes (Yamas, Nyamas, Āsana, Prāņāyāma, Pratyāhāra, Dhāraņā, Dhyāna e Samādhi) que constituem o Yoga, ocorre o crescimento do Conhecimento até a clareza final do Conhecimento”, podemos perceber que o Yoga é um caminho para conquistarmos o Conhecimento. E qual é a relação desse Conhecimento com os samskāras que nos aprisionam? Plena, pois adquirir esse Conhecimento não significa acumular sabedoria sobre os diversos assuntos da vida material, mas o meio para nos livrarmos da ignorância de não sabermos quem somos. Para isso, muitas buscas estão envolvidas: diminuir os apegos e aversões excessivas; buscar o contentamento; exercitar a vontade concentrada e muitas outras ações principais e outras auxiliares. 
Na prática dos āsanas também reside uma excelente oportunidade para esse exercício, pois cada āsana pode ser uma plataforma para se trabalhar a entrega, a austeridade, a não-violência e todos os demais componentes do yoga acima citados. Através dessa ferramenta, a nossa energia circula livremente no corpo, as camadas sutis de nosso Ser são beneficiadas e nossa Consciência tem a oportunidade de “falar” mais alto que nossa mente. Devemos aprender a diferenciar mente de consciência.  A consciência nos dá poder de discernimento para fazermos escolhas saudáveis e maduras, poder de observarmos nossas tendências e atitudes e poder de tomar as ações corretas. A mente em desequilíbrio, seu estado mais habitual, exerce uma influência exagerada em nossas vidas, de modo que acabamos por ser dirigidos por ela e não conseguimos comandar nossas rotas e “realizar” nossas escolhas saudáveis.
Quando negligenciamos nosso corpo físico também ocorre o desequilíbrio, podendo gerar sobrepeso. Então, para perder peso excessivo, nos deparamos com a necessidade de ter disciplina. A dificuldade com a disciplina nos gera frustrações, ansiedade, desânimo, etc. Esse é o processo da mente. Onde fica a Consciência nessas horas? Se a Consciência falasse mais alto, conseguiríamos nos livrar do samskāra. Por isso, o Yoga pode ser um recurso muito favorável, pois é um caminho que nos ensina a “despertar” a Consciência e como lidar com uma mente relutante e inquieta. Mas, Yoga não é mágica, é experiência. Tudo o que foi exposto nos leva a perceber o que realmente significa, aqui neste contexto, a busca pelo Conhecimento. É a busca pela manifestação da nossa Consciência de forma que ela possa nos guiar e, assim, todos os aspectos do nosso Ser como mente, emoções, corpo físico, corpo de energia possam estar em sintonia e vivendo em Unidade.
O Hatha Yoga, com uma prática diária, pode fazer muito pela pessoa que busca a perda de peso. A freqüente prática dos āsanas atua no físico eliminando toxinas e promovendo a circulação de energia por todo o corpo, os prāņāyāmas distribuem a energia e acalmam a mente, a meditação é o meio para se fazer a conexão com a Consciência. Obviamente, que a associação dessa prática com exercícios aeróbicos bem orientados é capaz de trazer benefícios ainda maiores ao praticante. E a alimentação balanceada se torna mais fácil de ser alcançada pela mudança gradativa de padrões.
Quando cuidamos de todas as camadas do nosso Ser, vivenciamos equanimidade e sentimento de felicidade verdadeira, e isso, certamente, se reflete no corpo físico e mente.
Hari Om!